Search

Copywriting para tradutores: Um nicho em ascensão e que paga muito bem


Noções básicas de copywriting e SEO para tradutores

O que é copywriting?

Copywriting é o processo de produção de textos persuasivos para ações de Marketing e Vendas, como o conteúdo de emails, sites, catálogos, anúncios e cartas de vendas, por exemplo. O profissional responsável pelo desenvolvimento do texto (também chamado de “copy) é conhecido como Copywriter.

O que é SEO?

Em nossa vida cotidiana, é comum que, quando surge uma dúvida, a primeira ação seja uma busca rápida no Google, não é mesmo? É assim para milhões de pessoas em todo o mundo que utilizam esse motor de busca com o intuito de encontrar produtos e serviços, o que faz do Google uma mina de ouro para as empresas que sabem explorar esse recurso.

No entanto, você já deve ter observado que, na maioria das vezes, você e todos os outros usuários do Google costumam dar atenção apenas aos primeiros resultados de uma busca. Então, como conseguir que sua marca ocupe as posições de destaque? Como fazer seu site de tradutor ser encontrado por agências de tradução e clientes em potencial? Como gerar mais tráfego aos textos que você escreve?

É preciso contar com o SEO – sigla para Search Engine Optimization, que, em português, significa Otimização para Mecanismos de Buscas.

SEO é um conjunto de técnicas que têm como objetivo posicionar uma ou mais landing pages entre os melhores resultados dos motores de pesquisa.

Em termos práticos, é como pedir um Uber: você precisa ligar o GPS do celular para que seu motorista o encontre. Com o SEO, também é assim. É necessário fazer melhorias no conteúdo da sua página para que ela possa ser encontrada com mais facilidade por quem está fazendo uma pesquisa no Google.

Mas por que preciso saber SEO?

Você pode aplicar seus conhecimentos em SEO de várias formas:

1. Aumentar o tráfego do seu site e fazer com que possíveis clientes procurem você, ao invés de você ir atrás deles. Com um bom conhecimento de SEO, você pode colocar seu site na primeira página de busca do Google, aumentando sua exposição.

2. Atender às necessidades de clientes, traduzindo textos de marketing e fazendo localização ou pesquisa de keywords. As empresas podem ter textos muito bem escritos em sites e blogs, mas se estes não forem encontrados nos motores de busca do Google, tudo isso terá sido uma grande perda de tempo.

3. Aumentar o tráfego de seus posts e artigos sobre tradução, páginas de redes sociais, etc.

4. Com SEO, você poderá criar uma grande presença digital para sua empresa ou serviços de tradução, visando ser bem avaliado pelos sites de busca, como o Google, a fim de que seus produtos/serviços, marca, site ou nome apareçam bem posicionados nas páginas de resultados por eles exibidos.

SEO e copywriting são habilidades lucrativas e muito requisitadas para freelancers. Tradutores freelancers com habilidades em SEO e copywriting têm uma grande vantagem sobre os demais.

Pauta

Antes de qualquer coisa, vamos aprender sobre pautas. Se você tem algum conhecimento prévio, esqueça o que sabe.

O novo universo do conteúdo digital tem uma nova pauta. Em jornais tradicionais e portais de notícias, a pauta é definida a partir de um acontecimento relevante. Pode ser uma denúncia contra um presidente, a cura do câncer, um desastre aéreo, enfim. O assunto é sempre privilegiado nessa definição.

A pauta morreu. E renasceu!

Na faculdade, jornalistas aprendem sobre critérios de noticiabilidade e, assim, ao longo de suas carreiras, se agarram a regras que não combinam mais com o conteúdo a ser desenvolvido.

Para ter um blog ou artigo de sucesso, isso se torna secundário. O que vale são as tendências de buscas. O conceito central que você precisa compreender é o de palavra-chave.

Resumindo bastante, significa o termo que as pessoas digitam na caixa de buscas do Google.


Mas palavra-chave não é necessariamente uma só palavra, pode ser uma frase. O seu trabalho, então, é encontrar as palavras-chave mais digitadas naquele campo entre aquelas que guardam relação com o conteúdo do seu blog.

Encontradas as palavras-chave, vai ser a partir delas que você vai construir as suas pautas.

Na prática, isso significa que você vai escrever sobre os assuntos de maior interesse dos usuários de mecanismos de busca. Lembre-se: o leitor é o rei, o patrão e o cliente. Ele define a informação que quer consumir e também a forma como deseja fazer isso. Então, se acha que pode dizer ao leitor o que ele deve ler, você perdeu o jogo.

A pauta morreu, mas não desapareceu. Ela renasceu e se reinventou.

Mudaram os critérios porque seus consumidores exigiram.

Embora importantes, os assuntos do momento perdem espaço na sua definição, porque a estratégia mira o longo prazo, a longevidade e não a instantaneidade.

Pode parecer paradoxal colocar em segundo plano o caráter instantâneo da informação na internet, mas há uma razão para isso.

Na pauta do presente e do futuro, o redator não trabalha mais com conteúdo perecível. Não se constrói autoridade com 15 minutos de fama e um dia de destaque no Twitter. Desejar a longevidade para seu artigo é pouco.

A nova pauta conduz seu texto à imortalidade. Mas é preciso saber como construí-la.

O que é a pauta hoje e como construí-la

Vamos dar continuidade ao que falamos há pouco.

Como o seu objetivo é atender ao leitor e dar a ele o que deseja, você precisa tomar como base o que ele digita na caixa de buscas do Google. Aliás, foco total no Google, pois mais de 90% das pesquisas são feitas nele, então, não vale a pena estudar outro buscador.

A propósito, o grande oráculo da internet é tão fantástico que disponibiliza de graça a ferramenta que permite a você encontrar as palavras-chave ideais para as suas pautas: o Planejador de palavras-chave do Google Ads.

O SEM.Rush, que é pago, é outra ferramenta muito indicada para a construção de pautas em projetos de conteúdo na internet. Com esse tipo de auxílio, você pode identificar não apenas o que o seu patrão e cliente (o leitor) deseja, mas também como os concorrentes têm tentado agradá-lo.

Ou seja, quais são as palavras-chave utilizadas por aqueles que disputam espaço com você.

É uma solução completa, muito mais fácil do que imagina, mas totalmente diferente do que se conhecia até então como pauta.

Então, vamos entender como a magia acontece?

Para o nosso primeiro exemplo, vamos supor que você tenha um blog sobre tradução, e seu público-alvo são tradutores iniciantes, ok?

Partindo da hipótese, então, que você utiliza uma das ferramentas que indicamos.

Assim, identifica que a palavra-chave “dicas de tradução” tem entre mil e 10 mil buscas mensais.

Parece um bom número, concorda?

Ótimo, vamos bolar uma pauta sobre esse assunto? Ainda não.

Vamos estudar um pouco mais para ver se não encontramos uma palavra-chave com ainda mais buscas para essa pauta.

Então, você vai localizar com o mesmo número de buscas nada menos do que outras 10 opções de palavras-chave.

Veja todas a seguir.

1. tradução inglês-português

2. tradução jurídica

3. dicas tradução técnica

4. como se tornar um tradutor

5. dicas de tradução para tradutores

6. dicas de tradução para tradutores iniciantes

7. tradutores e intérpretes brasileiros

8. tradutores iniciantes

9. serviços de tradução no brasil

10. tradução literária

É bastante coisa, não?

Entre todas as opções de palavra-chave, uma boa escolha seria “dicas de tradução para tradutores”.

Mas por quê?

Porque ela é uma cauda longa, ou long tail, uma palavra-chave composta por quatro ou mais

palavras, e isso comprovadamente aumenta a taxa de cliques para o seu post.

Mas não vamos bater o martelo ainda.

Veja a palavra-chave “dicas de tradução para tradutores iniciantes”.

Ela tem até 100 mil buscas mensais. Uau! São 10 vezes mais!

Parece que temos uma vencedora, não é? Ela tem muitas buscas e reflete bem o conteúdo do seu blog: "dicas de tradução", e público-alvo: "para tradutores iniciantes".

A sua pauta, agora, será construída a partir da palavra-chave “dicas de tradução para tradutores iniciantes”.

Quem manda na pauta e no seu texto

Em dado momento da nossa escolha da palavra-chave a usar, nos exemplos que apresentamos antes, citamos o termo

“persona”, lembra? Pois bem, você faz ideia do que ele significa? Esse é o “cara” que manda em você na hora de

escolher a pauta e produzir o artigo. Então, é o leitor? É mais ou menos isso.

O termo persona é utilizado no marketing de conteúdo para se referir ao público-alvo de um blog e, mais especificamente, de um post. É com a persona que o seu texto vai conversar e, por isso, é tão importante conhecê-la e

pensar nela antes de começar a escrever um artigo.

Uma persona reúne todas as características comuns de seus leitores ou de um grupo de leitores (tradutores e intérpretes, donos de agências, clientes em potencial, etc.).

As principais são faixa etária, hábitos e interesses (tradução e afins).

Na prática, essas informações são muito úteis para segmentar o público-alvo e, assim, direcionar melhor seu texto para quem você está escrevendo ou mesmo vendendo seu serviço.


Por exemplo, sobre a palavra-chave “preço de passagem aérea”:

● Ela não combina com Paulo

● Ela poderia ser voltada a José

● Ela tem em Maria o leitor ideal.

Já a pauta com a palavra-chave “melhores destinos nordeste” poderia ser voltada a qualquer uma das personas.

Nesse caso, a diferenciação estará no tom de voz do artigo e no seu conteúdo.

Caso queira direcionar o texto ao Paulo, por exemplo, não vale dar dicas de atrações gratuitas no Nordeste.

Como encontrar informações para a sua pauta

Você chegou até aqui, já tem as personas bem definidas e as pautas com as quais trabalhar.

Resumindo, é hora de colocar a mão na massa e começar a escrever.

Ainda não!

A não ser que seja um assunto que você domina totalmente, como um artigo sobre a sua vida, desenvolvido para um blog no qual conta experiências pessoais, será preciso partir para a pesquisa.

Seja qual for o seu nível de familiaridade com o assunto, é possível oferecer um conteúdo original e rico ao usuário, que o leve a criar uma empatia com o texto. No caso de dicas para tradutores iniciantes, você pode escrever, por exemplo, um artigo com dicas para conquistar novos clientes, ou como usar o Trados, uma CAT tool muito usada.

Esse é um esforço obrigatório para agregar informações ao seu artigo. Mas, por favor, não confunda com cópia.

O usuário que chegar até o seu artigo quer encontrar a solução para a sua busca. Se ele pesquisa por “como ingressar na área de tradução”, ele quer encontrar em um só lugar, rapidamente, aquilo que deve fazer para ser enquadrado como tal.

Ele não quer ler as mesmas dicas de todos os posts que encontrar sobre o assunto.

E tem mais: ele também não quer um artigo que simplesmente o remeta para outro site, linkando para o post publicado por um blog famoso de autoajuda, por exemplo.

Então, como se diferenciar dos concorrentes e chegar o mais próximo possível da solução que o leitor busca, mesmo você não sendo um especialista no assunto?

O segredo está na pesquisa. Mas na qualidade dela, não na quantidade.

Vamos às dicas!

Dica 1: Observe os concorrentes

Jogue a palavra-chave trabalhada no Google, observe os primeiros colocados do momento, veja que informações eles trazem. Avalie criticamente o conteúdo que encontrar. Anote em um documento separado aquilo que considerar relevante para o seu texto. Vale usar o Bloco de Notas do computador.

Dica 2: Busque pesquisas e estatísticas

Atribuir uma fonte às informações que você apresentar passa credibilidade.

Muitos redatores têm dificuldade de entender isso, pois olham para a palavra-chave e imaginam não haver como utilizar tal estratégia. É um grande engano. Em primeiro lugar, há pesquisas sobre absolutamente tudo.

Em segundo, os dados estatísticos podem ser usados para reforçar argumentos dentro do texto.

Por exemplo, se você ler em um artigo que fala sobre o mercado de tradução no Brasil, pode agregar valor à informação trazendo números sobre o mercado no Brasil e no mundo.

Repare bem que você estará dando ao leitor uma informação adicional, algo que ele não encontra em nenhum dos principais artigos sugeridos pelo Google.

Ninguém havia sugerido esse truque antes? Pois é. Ele funciona bem com qualquer assunto.

Repita isso em outras etapas do texto. Use as informações produzidas por fontes confiáveis a seu favor.

Só não esqueça de privilegiar os estudos mais recentes e de confirmar a informação na pesquisa original, se possível.

Não é por que um site qualquer noticiou tal pesquisa que ela realmente existe.

Na internet, um erro é facilmente reproduzido e disseminado como verdade. E isso o leitor odeia, e o Google mais ainda.

Dica 3: Especialistas funcionam bem para enriquecer o texto

Outro truque que concede credibilidade ao seu artigo é reforçar trechos do texto a partir da opinião de especialistas.

Então, vou ter que correr atrás de fontes e entrevistar alguém?

Não será preciso, pois a informação de que necessita já está disponível.

Simples assim!

A primeira opção é buscar artigos de pessoas reconhecidas como autoridades no assunto da sua pesquisa, ou mesmo entrevistas com elas veiculadas na grande mídia.

Particularmente sobre um exemplo que ocupa o primeiro lugar no Google para a palavra-chave “como ser uma pessoa melhor” usa esse recurso.

O artigo da Época Negócios foi construído justamente a partir de dicas de uma especialista, que o fez em texto escrito para outro veículo. O erro nesse caso foi não trazer um link para o artigo original.

Essa seria a atitude correta, pois você está se apropriando de parte daquele conteúdo.

Mas você pode fazer ainda melhor. Que tal referenciar cada uma das dicas que apresentar com opiniões de especialistas diferentes?

É muito simples e fácil de fazer. E o melhor: você produzirá um conteúdo riquíssimo e totalmente original, reunindo, sem dúvida alguma, as melhores dicas para aquele assunto.

Dica 4: Cite livros que nunca leu

Preste bastante atenção agora. Este é o tipo de truque que diferencia um Copywriter dos demais.

Acabamos de falar sobre as citações de artigos, mas você pode fazer o mesmo esforço ao usar livros.

E o melhor: mesmo sem ter lido a obra. Ao concluir a sua busca por artigos sobre o tema no Google, não feche a janela.

Faça agora a pesquisa no Google Livros e um novo mundo se abrirá diante dos seus olhos.

Você terá na tela diversos livros que abordam a temática, com autores e datas diferentes.

Se, ao lado do ano, estiver escrito “Visualização”, significa que pode ler alguns trechos da obra.

Sugiro que consulte primeiro o índice, ou sumário dela. Também vale buscar por um termo específico na obra, em campo existente na área esquerda da tela.

Assim, pode ir diretamente para o trecho que melhor contribui com o artigo que está escrevendo.

Ao encontrar uma boa citação, abra uma janela do Bloco de Notas e digite o texto que deseja utilizar.

Prefira trechos pequenos, somente para reforçar afirmações. Não faça uma cópia pura e simples do livro.

E sempre (sempre mesmo) coloque o nome do autor e da editora responsável pela publicação no Brasil.

Pronto!

Seu artigo agora está completo, com estatísticas, opiniões de especialistas e até trechos de livros que emprestam autoridade para o seu post.

O topo do Google é questão de dias.